Make your own free website on Tripod.com














História do Lima


           Em 29 de Janeiro de 1758, o coronel Antônio de Lima Abreu Pereira e sua esposa Paula Moreira Braga Pessoa, moradores de Apodi e proprietários da serra construíram uma capela e trouxeram a estátua de Nossa Senhora dos Impossíveis, de Portugal. Cerca de 30 anos depois, o mesmo Coronel doou a capela ao Bispado, passando-se a desenvolver as romarias celebrando-se a festa no dia 21 de novembro e 1º de janeiro. Vale acrescentar que os doadores passaram, por escritura, meia légua quadrada da terra para a Sagrada Família.

           Desde o ano de 1920 que o santuário é administrado pelos Missionários da Sargada Família, cujo fundador foi o Pe. João Batista Berthier. Para ficarem com a administração do Santuário, os missionários teriam que construir um novo templo, fazer estrada de acesso e ampliar a estrutura do local. Em todo esse tempo os serviços foram se seguindo e hoje o Santuário pode ser considerado como a 13º Basílica do Brasil, título honorífico que recebeu. Segundo seu administrador na época, o Padre Henrique Spitz, a estética para a forma arquitetônica do Santuário foi tirada de algumas plantas de igrejas Européias. Os americanos fizeram cápsulas para levar gente até à lua e nós levaremos gente ao Céu. Estas informações foram prestadas pelo Padre Henrique Spitz em suas prosas rotineiras.

           O Santuário fica numa posição privilegiada da Serra, descortina imensa panorâmica da região. Em 7 de fevereiro de 1921 Dom Antônio dos Santos Cabral, então Bispo da Diocese de Natal, nomeia Padre José Scoll para primeiro administrador do Santuário e em 22 de julho de 1923 é feita a assinatura do contrato para construção do Santuário.




Versão Lendária


           Não existe documento comprovando o porquê da construção da capela, hoje Santuário do Lima. A tradição oral no entanto cita a razão principal: teria o Coronel Antonio de Lima saído para caçar nas imediações do local onde hoje se encontra o Santuário. Como o passar das horas, esquecido de que a noite se aproximava, o coronel quis voltar e não acertou o local por onde subira. Passava-se as horas e o mesmo verificou que de maneira alguma acertaria voltar. Foi quando lembrou-se de fazer uma promessa a Nossa Senhora dos Impossíveis, se acertasse voltar e saísse dali sem ser molestado por animais existentes na Serra. Logo após as suas orações, não encontrou dificuldades para encontrar o caminho de volta. Foi quando resolveu doar o local onde se perdera para que ali erguesse uma capela em honra a Nossa Senhora dos Impossíveis como aconteceu.




Conheça também a
História em versos


Voltar